Alcoolismo – Saiba os sintomas, causas, diagnóstico e tratamentos

Também conhecido como etilismo, é uma doença onde a pessoa é viciada em bebidas alcoólicas, e por isso, sente dificuldades em parar de beber, é bastante comum entre homens e mulheres, porém afeta 30% das pessoas do sexo feminino.

A doença do alcoolismo pode ser tratada e controlada, pois existem diversos programas e profissionais para auxiliar a vencer esse problema, o programa mais conhecido chama-se Alcoólicos Anônimos.

O Alcoolismo causa 4 sintomas:

  • Fissura:uma forte necessidade ou compulsão, à bebida.
  • Perda de controle: a incapacidade para controlar a ingestão de bebida em qualquer ocasião.
  • Dependência física: sintomas de abstinência, como náuseas, suores, tremedeiras e ansiedade, acontecem quando o consumo de álcool é interrompido depois de um período de consumo excessivo.
Alcoolismo o que é
O alcoolismo pode prejudicar a sua saúde rapidamente, além de te levar a doenças psicológicas

Uma dependência séria pode levar a pessoa a apresentar sintomas de abstinência que colocam sua vida em perigo, que começam de 8 a 12 horas após a última bebida.

  • Tolerância:grandes quantidades de álcool são necessárias para que a pessoa tenha uma euforia.

Para que você entenda melhor sobre a doença, continue lendo abaixo:

Sintomas

A pessoa que é dependente do álcool quando interrompe seu consumo passa a sentir: tremores nos lábios e extremidades (mãos, pés), náuseas, vômitos, suor excessivo, ansiedade, irritação, podendo evoluir para convulsões e estados de confusão mental, com falta de orientação no tempo e no espaço e alucinações.

Também há as mudanças de comportamento como o comportamento antissocial, brigas e constante irritação que caracterizam as crises de abstinência, falta de apetite, desinteresse pelo trabalho, responsabilidades e dificuldades escolares, falta de higiene pessoal, entre outros.

Essas mudanças também incluem o comportamento de risco, a integridade física do dependente como quedas e fraturas, falta de prevenção sexual que levam a outras doenças, gravidez indesejada, acidentes de transito e morte por danos causados pelo álcool aos órgãos internos do dependente.

Causas

Ainda não se sabe exatamente oque leva alguém a beber, seja para divertir-se, escapar dos problemas, ou por influência de alguém, mas caso a pessoa não cuide, pode passar a ser dependente do álcool.

Fatores de risco

Apesar de ser aceito pela sociedade, o álcool oferece uma série de perigos tanto para quem o consome quanto para as pessoas que estão próximas. Por essa razão o consumo abusivo de álcool é uma questão de saúde pública. Parte dos acidentes de trânsito, comportamentos antissociais, violência doméstica, ruptura de relacionamentos e problemas no trabalho são provenientes do uso nocivo de álcool.

Consequências

O alcoolismo leva a alterações dos padrões funcionais do fígado, do aparelho digestivo, do coração, do sangue, dos músculos e das glândulas endócrinas. Em sua evolução, o alcoolismo também leva a doenças físicas e psíquicas, algumas das quais irreversíveis e que podem resultar em morte.

As doenças mais comuns associadas ao alcoolismo são a cirrose hepática, as síndromes amnésica, demencial, alucinatória e delirante, além de ansiedade, distúrbios sexuais e alterações do sono.

O alcoolismo também aumenta a predisposição à outras doenças, como as infecções. Por fim, o delirium tremens, o quadro clínico mais grave da abstinência, pode terminar pela morte.

O consumo crônico do álcool por prazo muito longo acaba por levar a mudanças psicológicas profundas, entre as quais aquelas que incluem alterações dos padrões éticos e emocionais da pessoa, deterioração das relações familiares e sociais e descaso com as tarefas laborativas. O alcoólatra (e às vezes o mero usuário não alcoólatra) pode ter um comportamento violento e até mesmo criminal.

Você também pode gostar destes conteúdos:

Diagnóstico

Abaixo estão algumas perguntas que alguns profissionais fazem para alguém que é dependente do álcool:

  • Você já pensou que deveria diminuir seu consumo de álcool?
  • Alguém já te criticou por causa da bebida?
  • Você já se sentiu mal ou culpado por beber?
  • Você já acordou e a primeira coisa que fez foi beber para se sentir bem?

Caso sua resposta for sim, deve imediatamente procurar ajuda profissional.

Tratamento

O tratamento do alcoolismo está fadado ao fracasso se o próprio alcoólatra não se engajar nele, o que não acontece, na maioria das vezes. Depois de instalada, a dependência pelo álcool é de muito difícil tratamento. O tratamento principal consiste em exortar o alcoolista a parar de beber, ao mesmo tempo dando-lhe apoio.

As psicoterapias individuais são pouco efetivas. As de grupo oferecem melhores resultados. Um movimento leigo, denominado alcoólicos anônimos, parece oferecer resultados ainda melhores. Este grupo existe há mais de 76 anos e em vários países ao redor do mundo.

Quanto aos remédios, até muito recentemente não se tinha nenhuma medicação visando diminuir o desejo pelo álcool. Muito recentemente três substâncias começaram a ser usadas a naltrexona, a ondansetrona e o acamprosato, elas vêm sendo testadas com esse objetivo, mas são de uso muito recente e ainda não contam com uma experiência inquestionável.

O dessulfuram, de uso mais antigo, gera um acúmulo de acetaldeído, um metabólito do álcool, e produz sintomas muito desagradáveis (náuseas, vômitos, tonturas, etc.). Com isso, espera-se que ele seja aversivo em relação ao ato de beber bebidas alcoólicas. No entanto, muitos alcoólatras não conseguem conter o desejo pelo álcool e acabam por interromper a medicação. Alguns nem mesmo conseguem esperar pela eliminação dela e, ingerindo o álcool, experimentam os sintomas desagradáveis que a associação acarreta.

Alcoólicos Anônimos

Quase todos os programas de tratamento do alcoolismo também incluem encontros de Alcóolicos Anônimos (AA), onde é uma comunidade mundial de homens e mulheres que se ajudam a ficarem sóbrios. Enquanto o AA é geralmente reconhecido como um programa eficiente de ajuda mútua para recuperar dependentes de álcool, nem todas as pessoas respondem positivamente ao estilo e mensagens do AA, e outras abordagens podem estar disponíveis. Até mesmo os que vêm conseguindo ajuda pelo AA geralmente descobrem que a recuperação funciona melhor com outros tratamentos juntos, inclusive aconselhamento e tratamento médico.

Embora o alcoolismo seja uma doença tratável, ainda não há cura. Isto significa que, mesmo que um dependente de álcool esteja sóbrio por muito tempo, ele é suscetível a recaídas. Por isso deve-se evitar qualquer bebida alcóolica, em qualquer quantidade. “Reduzir” o consumo pode até diminuir ou retardar problemas, mas não é suficiente: a abstinência é necessária para que a recuperação seja bem-sucedida.

Recaídas são muito comuns. Mas isso não significa que a pessoa fracassou ou não irá se recuperar do alcoolismo. No caso de uma recaída, é muito importante retomar o foco no objetivo e manter o apoio necessário para não voltar a beber.

Como prevenir

Se o seu médico determinar que você não é dependente de álcool, mas está envolvido em um padrão de abuso de álcool, ele pode ajudá-lo:

  • Examine os benefícios de parar de beber e o risco de continuar bebendo
  • Examine as situações que desencadeiam seus padrões não saudáveis de consumo de bebidas alcoólicas, e desenvolver novas formas de lidar com essas situações.

Algumas pessoas que pararam de beber depois de terem tido problemas relacionados ao álcool frequentam os AA para obter informação e apoio, mesmo não sendo dependentes.

Os medicamentos mais usados para o tratamento de alcoolismo são:

  • Dissulfiram, também conhecido como antietanol, é um medicamento conhecido por seu efeito aversivoou seja, se fizer uso dele em conjunto com álcool pode ocorrer náuseas, vômitos, rubor facial, taquicardia e queda de pressão.
  • Naltrexona: medicação desenvolvida para o tratamento adjunto da dependência de álcool que atua sobre o sistema opioide, bloqueando os efeitos de recompensa do álcool e evitando recaídas.
  • Acamprosato: medicação que age como antagonista dos receptores glutamatérgicos, atenuando os sintomas de abstinência ao álcool.
tratamento para alcoolismo
Os remédios para tratar o alcoolismo podem ajudar, mas deve utilizar outros métodos em conjunto com o medicamento para que o efeito seja preciso e imediato

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento.

Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar o médico, e não altere as doses prescritas.

 

Gostou deste conteúdo sobre alcoolismo? Então curta agora mesmo nossa página do Facebook: O universo da saúde no facebook!

5 (100%) 48 votes