Doenças Auditivas

O que são doenças auditivas?

As doenças auditivas são doenças que afetam o ouvido e provocam dor e perda da audição.

O ouvido humano é um órgão complexo responsável por captar e transformar as ondas sonoras presentes no ar para que o cérebro possa decifrá-las.

O sistema auditivo é formado por ossos e membranas, e pode ser dividido em 3 partes:

  • ouvido externo, responsável por receber as ondas sonoras;
  • ouvido médio, local onde acontece a transformação das ondas;
  • ouvido interno, onde as ondas sonoras são traduzidas para impulsos nervosos e encaminhadas para o cérebro através do nervo acústico.

Devido a essa complexidade, há várias doenças que acometem o ouvido, interferindo na captação dos sons, provocando a perda auditiva leve, moderada até a severa e profunda.

Anatomia do ouvido

Para entender as doenças auditivas, é preciso compreender a anatomia do ouvido.

Como já mencionado anteriormente, o ouvido é formado por três partes: o ouvido externo, o ouvido médio, e o ouvido interno. (http://www.sobiologia.com.br/figuras/Fisiologiaanimal/sentido12.jpg – link para imagem do ouvido em suas três partes.)

  1. Ouvido externo é formado pelos:
  • Pavilhão auricular (orelha) – coleta e envia o som para dentro do canal auditivo.
  • Canal auditivo (canal auditivo externo) – direciona o som para o ouvido.

2. Ouvido Médio é formado pelos:

  • Tímpano (membrana timpânica) – transforma os sons em vibrações.
  • Martelo, bigorna e estribo – são três ossos pequenos que transferem as vibrações para o ouvido interno.

3. Ouvido interno é formado pelos

  • Ouvido interno (cóclea) – contém líquido e “células ciliadas” extremamente sensíveis.

Esses cílios das células são semelhantes a pelos que se movem quando são estimulados por vibrações sonoras.

  • Sistema ou aparelho vestibular – contém células que coordenam o equilíbrio.
  • Nervo auditivo – envia sinais da cóclea ao cérebro.

Como funciona a audição

(https://youtu.be/flIAxGsV1q0 ) – link para vídeo explicativo sobre funcionamento da audição.

  1. O som que entra no canal auditivo faz  a membrana timpânica se mover.
  2. A membrana timpânica vibra com o som.
  3. As vibrações sonoras se movimentam através do martelo, bigorna e estribo, para a cóclea.
  4. As vibrações sonoras fazem o líquido na cóclea se movimentar.
  5. O movimento do fluído causa contração das células ciliadas.

As células ciliadas criam sinais neurais que são captados pelo nervo auditivo.

As células ciliadas de uma extremidade da cóclea enviam informações de som de baixa frequência e as células ciliadas do outro extremo enviam informações de som de alta frequência.

6. O nervo auditivo envia sinais ao cérebro que interpretará como sons.

Tipos de perdas auditivas.

  1. Perda Auditiva Condutiva

Qualquer doença que atinja o ouvido externo ou médio e que impeça o som de ser conduzido de forma adequada, pode gerar uma perda auditiva condutiva.

Perdas auditivas condutivas normalmente são de grau leve ou moderado, variando de 25 a 65 decibel.

Em algumas situações, a perda auditiva condutiva pode ser temporária.

O tipo de tratamento vai depender da causa do problema. Pode ser indicado uso de medicação ou cirurgia ou ainda uso de aparelho auditivo ou implante de ouvido médio.2.

2. Perda Auditiva Sensorioneural

Esse tipo de perda auditiva resulta da falta ou dano de células sensoriais (células ciliadas) na cóclea e normalmente é permanente.

É também conhecido como “surdez neural”, podendo ser de grau leve, moderado, severo ou profundo.

A perda auditiva sensorioneural de grau leve a severa pode sempre ser tratada com uso de aparelhos auditivos ou implante da orelha média.

No caso de perda auditiva severa a profunda é recomendado implantes cocleares.

Algumas pessoas têm perda auditiva sensorioneural apenas em alta freqüência, também conhecida como surdez parcial.

Nestes casos, apenas as células ciliadas da base da cóclea estão danificadas.

Na parte interna da cóclea, o ápice, as células ciliadas que são responsáveis pelo tratamento dos tons baixos ainda estão intactas.

Para tratar esse tipo de perda foi desenvolvida a Estimulação Eletroacústica ou EAS.

3. Perda Auditiva Mista

A perda auditiva mista é uma combinação das duas anteriores.

É consequência de problemas no ouvido interno e externo ou médio.

As formas de tratamento podem incluir medicamentos, cirurgia, aparelhos auditivos ou implantes auditivos de ouvido médio.

4. Perda Auditiva Neural

Essa perda auditiva resulta da ausência ou dano ao nervo auditivo, sendo geralmente profunda e permanente.

Nesse caso os aparelhos auditivos e implantes cocleares não podem ajudar, pelo fato do nervo não ser capaz de transmitir informações sonoras para o cérebro.

Em alguns casos, pode ser utilizado o  Implante Auditivo de Tronco Cerebral (ABI) como opção tratamento.

O Audiograma

(https://www.hear-it.org/pt/Audiograma-2 – link para imagem do audiograma)

O audiograma é um gráfico que mostra a audição utilizada por uma pessoa e a quantidade de perda auditiva que o indivíduo tem em cada orelha.

Ao longo do topo do gráfico, os números variam de 125 a 8000. Estes números referem-se às frequências.

A freqüência é expressa em ciclo por segundo ou hertz.

Quanto maior a freqüência, maior o pitch do som. Por exemplo, 250 Hertz (Hz) soa como o gotejar de uma torneira, enquanto a alta-freqüência de toque do telefone é aproximadamente 8000 Hz.

Durante o teste de audição, o audiologista coloca sons em uma freqüência de cada vez.

O tom mais suave que uma pessoa pode ouvir de cada freqüência é marcada no audiograma naquela freqüência e intensidade. Este é o chamado “início da audição”.

O audiograma é uma foto da audição de cada pessoa.

Ele indica o quanto a audição varia do normal, se há alguma perda auditiva e onde o problema pode estar.

Tipos de doenças que afetam o ouvido.

São diversas as doenças que afetam o ouvido.

Entre as mais comuns podemos citar:

  • Otite
  • Labirintite
  • Doença de Mèniére
  • Tinnitus
  • Colesteatoma
  • Síndrome de Usher
  • Neuroma do Acústico
  • Otosclerose

Causas das doenças auditivas

As causas mais comuns para o desenvolvimento de doenças auditivas são: acúmulo de cera no ouvido, infecções, tímpano perfurado, danos no ouvido interno e vias nervosa.

Os danos ao ouvido interno tem como causas, o envelhecimento natural da pessoa e a exposição  a barulhos ou sons altos.

Isso se deve ao fato das células nervosas da cóclea (que leva os sinais do som para o cérebro) serem danificadas sob essas condições.

Quando essas células são danificadas ou estão faltando, os sinais elétricos do som não são transmitidos de forma eficiente, gerando a perda auditiva.

Por isso, pode ser difícil identificar falas em ambientes com barulho de fundo alto.

A cera do ouvido pode fechar o canal auditivo e evitar a criação das ondas sonoras.

Esse acúmulo de cera pode ocorrer a pessoas de todas as idades, sendo resolvido com a remoção do excesso.

Para isso, o otorrinolaringologista pode fazer uma limpeza (lavagem) da cera, que é um procedimento indolor.

Explosões, barulhos altos repentinos, mudanças bruscas de pressão, e mexer no ouvido com objetos podem ocasionar a perfuração do tímpano, o que prejudica a audição.

Além disso, a perda de audição pode ser causada por um tumor, crescimento anormal dos ossos da região ou infecções como: sarampo, meningite, caxumba e escarlatina.

Há ainda doenças que afetam indiretamente o ouvido causando problemas como zumbido ou perda auditiva.

  • Osteoporose
  • Hipertensão
  • Diabetes
  • Doenças cardíacas
  • Obesidade
  • Envelhecimento
  • Hereditariedade
  • Trabalhos em locais muito barulhentos.
  • Trabalhos que incluam o uso de armas de fogo e motores a jato.
  • Escutar música em volume muito alto, nos fones de ouvido ou não.
  • Algumas medicações, como antibióticos, drogas de quimioterapia, remédios contra malária, diuréticos e grandes doses de aspirina e outros analgésicos podem afetar o tímpano.

Sintomas das doenças auditivas.

Ao aparecimento de qualquer um dos sintomas mencionados abaixo, é recomendável contatar um especialista para realização de um teste auditivo e saber o que está acontecendo.

  • As pessoas falam como se estivessem resmungando.
  • Ouve com dificuldade a televisão e as pessoas em volta  reclamam que o som da tv está muito alto.
  • Escuta com dificuldade quando é chamado por alguma pessoa que não está à sua frente ou que se encontra em outro local.
  • Comunica-se com dificuldade em pequeno grupo ou numa reunião.
  • Dificuldade de comunicar-se em ambientes ruidosos , por exemplo, no carro , ônibus ou em festa.
  • Pede sempre às pessoas para repetirem o que disseram.
  • Não escuta o tic-tac do relógio, o som das águas nem o canto dos pássaros.
  • Ouve com dificuldade o toque de campainha e telefone.
  • A família, colegas e amigos comentam que você está perdendo a audição.
  • Faz uso da leitura labial durante uma conversa.
  • Sente que tem que se concentrar muito para entender o que as pessoas falam ou cochicham.

Buscar ajuda médica nessas situações é a melhor opção para tratar a doença e evitar a perda total da audição.

Para prevenir problemas auditivos evite colocar objetos nos ouvidos, ouça música em volume mais baixo, evite exposição a barulho e ruído altos e cuida da saúde e evite fatores de risco que aumentam a chance do aparecimento de doenças auditivas.

Saiba mais sobre as doenças auditivas em nossos artigos sobre o assunto.